Passeio de barco no rio Sado de Setúbal a Alcácer do Sal

e visita guiada ao centro histórico de Alcácer do Sal.

Data do evento: 27 de Maio (Domingo) de 2018.
Local de encontro: Setúbal – Doca das Fontainhas, perto do local de partida dos Ferrys.
Hora de encontro: 9h30m.
Hora de início do passeio de barco: 10h.

Hora de fim do passeio de barco e chegada a Alcácer do SAL: 14h.
Hora do início da visita guiada ao centro histórico de Alcácer do Sal: 14h30m.
Hora de fim da visita guiada e regresso a Setúbal em autocarro: 17h.

Praticamente todo o percurso fluvial entre Setúbal e Alcácer do Sal se desenvolve bem dentro do coração da Reserva Natural do Estuário do Sado, uma das mais espectaculares áreas protegidas do nosso país, não só pela paisagem natural e pouco humanizada que lhe é característica, mas também por todo o seu riquíssimo património, desde logo o natural, mas também o histórico, arqueológico, cultural, económico, etc. Destaca-se neste percurso a passagem junto às Ruínas Romanas de Tróia, Canal da Carrasqueira, Ilha do Cavalo (Herdade do Pinheiro), Reserva Natural do Estuário do Sado, com observação de aves, cais palafítico de Abul com explicação da Feitoria fenícia existente no local (impossível visitar), passagem junto a salinas e arrozais.

Todo o percurso será acompanhado por um guia irá explicando às pessoas os aspectos mais relevantes do passeio e a descrição dos diferentes pontos de interesse mencionados e desenvolvendo algumas temáticas como as que se prendem com as embarcações tradicionais, sal, ocupação humana, património natural, etc.

Programa da visita a Alcácer do Sal:

  • 14h – Chegada a Alcácer do Sal.
  • 14h30m – Visita à Cripta e ruínas arqueológicas no interior do Castelo de Alcácer.
  • 15h30m – Visita ao Castelo de Alcácer do Sal, actualmente transformado em Pousada (Grupo Pestana), sendo possível visitar pano da muralha e zonas comuns.
  • 16h15m – Visita à igreja de S. Tiago.
  • 17h – Regresso a Setúbal em autocarro.

 

Preço do programa: 60 € por pessoa

Opcionalmente poderá ser efectuada uma prova de queijos e vinhos da região o que acresce 4 € no preço.
Quem pretender almoço a bordo com uma bebida acresce o preço de 20 €.
Podem sempre optar por levar farnel.
A actividade está coberta por seguro.

Para inscrição enviar mail para info@rotasdosal.pt

A Reserva Natural do Estuário do Sado

Compreendendo uma área de 23.160 hectares, a Reserva Natural do Estuário do Sado, cerca de 13.500 hectares são de área estuarina e os restantes, cerca de 9.500, são constituídos por zonas húmidas marginais convertidas para a salinicultura, para piscicultura e para a orizicultura, também por áreas terrestres e por pequenos cursos permanentes de água doce. Área protegida de uma riqueza enorme apresenta uma diversidade, que se estende da vegetação de água salgada que margina o estuário, o sapal, aos lodos que juntamente com a dinâmica das marés são abrigo das inúmeras espécies que aqui se encontram.
A poucos quilómetros da cidade de Alcácer, seguindo o curso do rio Sado para jusante, encontra-se a Reserva Natural do Estuário do Sado, que se desenvolve ao longo de cerca de 23.160 hectares, a maior parte dos quais correspondendo a zonas húmidas, nomeadamente aos canais, esteiros e sapais. A margem terrestre, sobretudo nas zonas menos alteradas, apresenta locais de interesse, de grande produtividade biológica, responsável pela riqueza da vida animal e pelo grande valor económico que daí advém, através das atividades económicas tradicionais da região.
Da vida animal desta reserva podemos referir alguns mamíferos como a lontra, o roaz-corvineiro (golfinho), o gineto, o texugo e a raposa. Das cerca de cem espécies de aves que a povoam, será de salientar a cegonha branca, a galinha de água, o guarda-rios, a águia sapeira, várias espécies de garças, patos, pombo torcaz, etc. Ao nível estuarino, são especialmente importantes os moluscos, crustáceos e peixes, representados por grande variedade de espécies.
Das atividades económicas tradicionais há a salientar a pesca, a salinicultura, a produção resinosa e corticeira. Com as suas lagoas calmas, o rio azul, os vastos pinhais, a sua fauna a Reserva Natural do Estuário do Sado constitui uma das zonas mais belas do concelho de Alcácer do Sal. É um território ainda por descobrir, onde a vastidão dos sapais e as várias formas de ocupação humana se harmonizam, criando uma paisagem que se pretende preservar.
Aqui poderá fazer uma nova experiência de navegar numa embarcação tradicional do rio Sado à vela, onde para além de um provável encontro com os simpáticos golfinhos aqui residentes, poderá ainda desfrutar de uma paragem junto a uma praia para almoço a bordo e, também, para dar uns mergulhos nas límpidas águas do rio Sado.
Este programa realiza-se em embarcações tradicionais do Sado, embarcações históricas muito ligadas à actividade do sal no Sado e que foram adaptadas para funções de lazer e turismo, constituindo autênticas peças museológicas vivas.
Praticamente todo o percurso fluvial entre Setúbal e Alcácer do Sal se desenvolve bem dentro do coração da Reserva Natural do Estuário do Sado, uma das mais espectaculares áreas protegidas do nosso país, não só pela paisagem natural e pouco humanizada que lhe é característica, mas também por todo o seu riquíssimo património, desde logo o natural, mas também o histórico, arqueológico, cultural, económico, etc. Destaca-se neste percurso a passagem junto às Ruínas Romanas de Tróia, Canal da Carrasqueira, Ilha do Cavalo (Herdade do Pinheiro), Reserva Natural do Estuário do Sado, com observação de aves, cais palafítico de Abul com explicação da Feitoria fenícia existente no local (impossível visitar), passagem junto a salinas e arrozais. Todo o percurso será acompanhado por um guia irá explicando às pessoas os aspectos mais relevantes do passeio e a descrição dos diferentes pontos de interesse mencionados e desenvolvendo algumas temáticas como as que se prendem com as embarcações tradicionais, sal, ocupação humana, património natural, etc.
A embarcação a utilizar é uma embarcação típica e tradicional do rio Sado, o Hiate de Setúbal, uma réplica dos antigos hyates que no século XVII e XVIII vinham do norte da europa abastecer-se do sal, de que Setúbal e outros pontos da costa portuguesa eram muito ricos. Este tipo de embarcação com o decorrer dos tempos acabou por se tornar uma das embarcações mais características do rio Sado até à primeira metade do século XX, tendo perdido então o seu interesse como embarcação de transporte de mercadorias. O Hiate de Setúbal, construído em 1994 no âmbito de um projecto de recuperação do património cultural de Setúbal e adaptado a funções de recreio e de lazer, constitui assim autêntica peça de museu vivo da cultura e das tradições ribeirinhas ligadas ao rio Sado.

A Alcácer do Sal

O Castelo milenar agora albergando a pousada D. Sancho II, é ainda guardião de uma paisagem soberba sobre as casas, o rio com as suas pontes e os habitantes que a cada olhar se sentem orgulhosos do seu passado na defesa daquelas terras.
Os artefactos recolhidos na região testemunham da presença humana em Alcácer do Sal há cerca de 40 mil anos. Contudo só muito mais tarde e já no período mesolítico se conhecem as primeiras manifestações de produção não só agrícola mas também de gado havendo também troca de produtos como por exemplo artigos de cerâmica
Já na Idade do Ferro a zona conheceu um grande desenvolvimento urbano possuindo inclusive moeda própria. Mais tarde com a chegada dos Romanos a povoação Celta Bevipo passou então a designar-se Salacia Urbs Imperatoria ganhando então o estatuto de Cidade de Direito Latino. A sua importância continua pelo século I a.C. devido principalmente à sua grande produção de lã e sal. Já no período visigótico foi constituída cidade episcopal.
A ocupação árabe dá-se em 715 e dura quatro séculos constituindo-se capital da província de Al-Kassar voltando nesta altura o rio, a ser frequentado por navegadores orientais e norte-africanos mantendo-se assim como um porto de grande importância na Península Ibérica. A partir do século XII, as batalhas entre cristãos e muçulmanos sucedem-se até á reconquista final em 1217 por D. Sancho II recebendo no ano seguinte a sua carta de foral. Em 1220 a região foi instituída Cabeça da Ordem de Santiago. De grande importância estratégica na geografia do país, assiste já no século XVI, a um novo impulso a nível comercial com a grande produção de sal, cuja riqueza é transformada em construção de igrejas, e palácios sendo também fundado o Convento Carmelita de Aracelli que ocupará o castelo até 1834. Em 1495 vê aclamado o Rei D.Manuel I, e em 1502 vê nascer o célebre matemático Pedro Nunes.

Preço do programa: 60 € por pessoa

Opcionalmente poderá ser efectuada uma prova de queijos e vinhos da região o que acresce 4 € no preço.
Quem pretender almoço a bordo com uma bebida acresce o preço de 20 €.
Podem sempre optar por levar farnel.
A actividade está coberta por seguro.

Para inscrição enviar mail para info@rotasdosal.pt